Filhinhos da Mamãe

Guia Sobre Infância
MENU

Agrotóxicos – Alimentos contaminados

Tags:

agrotóxicos-filhinhos-da-mamãe.-612x250

A gente sempre ouve falar sobre a presença de agrotóxicos nos alimentos, mas você sabe quanto?

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), 63% dos alimentos produzidos no Brasil estão contaminados por agrotóxicos, e o pior: 28% apresentaram ingredientes ativos não autorizados e/ou ultrapassaram os limites máximos de resíduos considerados aceitáveis.

amostras-residuos

Mais uma posição de destaque nos rankings de vergonhas

Em 2008, o Brasil ultrapassou os Estados Unidos e assumiu o posto de maior mercado mundial de agrotóxicos. O mercado brasileiro de agrotóxicos é o maior do mundo, com 107 empresas aptas a registrar produtos, e representa 16% do mercado mundial.

Nos últimos dez anos, o mercado brasileiro cresceu 190% enquanto o mercado mundial de agrotóxicos cresceu 93%.

  • Entre o segundo semestre de 2010 e o primeiro semestre de 2011, o mercado nacional de venda de agrotóxicos movimentou 936 mil toneladas de produtos, das quais 833 mil toneladas produzidas no país e 246 mil toneladas importadas (ANVISA; UFPR, 2012). Isso para não falar do contrabando de substâncias “piratas” cujo uso é proibido na maioria dos países, inclusive aqui.

Lista dos alimentos com mais agrotóxicos

Somente soja, cana-de-açúcar, milho e algodão foram responsáveis por 80% dos agrotóxicos consumidos no Brasil em 2013.

Segundo amostras coletadas em todas os 26 estados do Brasil, realizada pelo Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) da Anvisa (2011), as culturas mais contaminadas foram:

alimentos-agrotoxicos

O Brasil ultrapassou os Estados Unidos e assumiu o posto de maior mercado mundial de agrotóxicos.

Ler esses relatórios é desolador. Solo, comida, água, leite materno… tudo contaminado. Venenos que ingerimos diariamente, só se acumulando e esperando para se transformar em doenças degenerativas.

Vários estudos associam pesticidas a intoxicações e desenvolvimento de múltiplas doenças, que atingem o sistema nervoso, reprodutivo, hematológico… várias associações com câncer e doenças psiquiátricas.

O que fazer?

Infelizmente uma alimentação puramente orgânica  é possibilidade para poucos. Além de não ser tão fácil encontrar,  produtos orgânicos são bem mais caros. Mas é importante conhecer os alimentos que mais acumulam agrotóxicos; se não conseguir comprar o orgânico (por exemplo, o morango), o ideal é  tentar evitar (ou consumir o mínimo possível). Principalmente as crianças devem ser protegidas nesse sentido.

As cascas dos vegetais geralmente são bastante nutritivas. Mas nessa realidade de agrotóxicos devem ser descartadas. Além de lavar muito bem os alimentos, se não forem orgânicos, é bom tirar a casca antes do consumo.

Outra coisa é tentar ao máximo evitar de usar produtos altamente processados (como os com muito condimentos – ex temperos prontos, corantes – ex gelatina/suco de caixinha…) para não aumentar ainda mais a sobrecarga de produtos químicos inadequados ingeridos. Sou mãe de dois e trabalho fora (e em casa também), sei que não é fácil, mas o ideal é que se tente ao máximo ter uma alimentação minimamente processada, com comida de verdade. A gente tem que conhecer o que está no prato que comemos para tentar minimizar a exposição a todo esse veneno que nos cerca.

É importante conhecer os produtos que mais acumulam agrotóxicos; Esses alimentos, se não conseguir comprar o orgânico, é melhor evitar o consumo.

 

Achou importante? Compartilhe com seus amigos!

 

Referências:

Programa de Análise de Resíduis de Agrotóxicos em Alimentos – ANVISA

“Dossiê ABRASCO: Um Alerta Sobre os Impactos dos Agrotóxicos na Saúde”

http://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2015/03/Dossie_Abrasco_02.pdf

http://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2015/03/Dossie_Abrasco_03.pdf

http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf

 

Carla Torres

Médica (Universidade Federal Fluminense – 2004) e mãe. Atua nas duas funções em tempo quase integral e é apaixonada pelo que faz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *