Filhinhos da Mamãe

Guia Sobre Infância
MENU

Alimentação – Viagem para o exterior com bebê

Tags:, ,

Uma das grandes preocupações de viajar para o exterior com um bebê é a alimentação. A primeira vez que fomos a Europa com nossa filhinha, ela estava com 6 meses e em aleitamento materno exclusivo. Isso realmente foi muito conveniente. Desta vez, com 1 anos e 6 meses, a alimentação dela era um assunto que pediu nossa atenção. Nossa viagem foi relativamente grande. Ficamos 24 dias transitando pelo Sul da França e Litoral norte da Itália e Toscana.
Seguem as dicas que acho que podem ajudar:

Escolhendo o hotel

Ao reservar os hotéis, dei preferência aos que tinham cozinhas (5 dos 8 que ficamos tinham). Preparar uma comidinha e comer no quarto é muito bom para as crianças (e para nossos bolsos, porque comida na Europa é caro. Os mercados e feiras são ótimos, você compra produtos de qualidade e vegetais e prepara uma refeição excelente por 1/4 do valor que pagaria em um restaurante qualquer). Fiz quase todas as reservas (menos 1, a do hotel da foto debaixo) pelo Booking.com e na lateral da tela tem a opção de escolher a seleção de hotéis com cozinha. Assim, eu mesma fazia a maior parte da comidinha dela.
escolhendo o hotel - filhinhos da mamãe

Site de reservas – booking.com – Na lateral é possível escolher comodidades dos quartos, como cozinha e máquina de lavar roupas.

Ao reservar os hotéis, dê preferência aos que tenham cozinha.

 

Hotel perto de Florença, o maravilhoso Castello del Trebbio.
Cozinhando para meu “carrapatinho”

Jeitinho brasileiro

Eu costumo levar na bagagem um mixer de mão e uma caneca onde ele se encaixa certinho. Mesmo se não tiver cozinha, dá pra preparar umas papinhas e vitaminas com frutas frescas que compro no mercado.

Hábitos de alimentação que ajudam

  • Sempre incentivo minha fofinha a comer bem na parte da manhã. Sirva um bom café da manhã para seu bebê todos os dias.
Comendo bolo no café do hotel em Levanto,
nossa base para conhecer as Cinque Terre na Itália.
  • Acabamos gastando bem mais em restaurantes do que quando viajávamos só nós dois. Fast food, pizza, sanduíche só mesmo em último caso. Sempre tentávamos almoçar e jantar para dividir o prato com ela.

O que oferecer para o bebê comer?

Sobre a comida que vai oferecer para o bebê, se ele tem mais de 12 meses, só  precisa mesmo se preocupar em evitar excessos. Não vai oferecer uma comida com muita pimenta, açúcar ou fast food, mas o trato digestivo nesta idade já está muito desenvolvido. A não ser em casos de alergias conhecidas, só se preocupe em picar bem a comida para que ele consiga comer sem risco de engasgar e ajudar a digestão. Prove as comidas locais e divida com o bebê! Minha pequena comeu azeitonas, risoto de fungo, tartufo, camarão, queijos… não entre na paranóia de comida de bebê e de adulto. Não enxergo fundamento técnico nem lógico nisso, mas respeito quem pensa diferente.

O que levamos

Ela ainda toma mamadeira. Atualmente usa fórmula de leite com frutas (banana ou abacate)  ou Mucilon de arroz/cereais. Levamos:

  •  1 lata de leite e 1 pacote pequeno de Mucilon, além daqueles dois potinhos com as medidas pré-dosadas – 6 mamadas.
 Potinhos com as medidas pré-dosadas.
Muito prático para uso diário e em viagens.
  • 10 potinhos da Nestlé de sopinha. 5 salgados e 5 doces.
  • Caixinhas tetra park de Mucilon e Ninho. Ao todo levei 10 (Não devem ser usadas de rotina,  mas no caso de viagem não tem como negar que comida de potinho e essas caixinhas são uma mão na roda, bem prático).
  • 2 pacotes de biscoito de maisena.

 

Bebidas lácteas em embalagem tetra park. 
Lanchinho rápido para o bebê tomar de canudinho.

 

Levamos alguns na bagagem de mão, mas a maioria foi despachado com a bagagem (não tivemos problemas, mas já li relatos de pessoas que tiveram atraso grande na entrega da mala por provável desconfiança da alfândega pela presença desses potinhos).
Não quis entrar em “nóia” e levar tudo daqui. Deixamos para comprar as coisas lá.
No nosso 3º dia de viagem passamos em um mercado grande para repor os suprimentos. Esse mercado em St Paul de Vence, como todos os que passamos na França, era mesmo bem legal. Muita variedade de tudo (a parte de higiene pessoal, padaria e rotisseria é de matar. Maravilhoso!).

 

Padaria do mercado em St Paul de Vence –  muitas gulodices tentadoras.

 

Dificuldades/diferenças/surpresas boas

  • Não encontramos as marcas daqui. De mais familiar, encontrei um leite que tinha a “cara” parecida com o Nan, mas com outro nome. Se seu bebê for muito exigente, só aceitar uma marca, lembre-se disso.  As latas de leite são gigantes. Não existe nada da nossa medida padrão de 400g. A menor que consegui tinha 1600g. Para nós foi desperdício. Fizemos a viagem pela maior parte de tempo de carro. Mas fizemos a transferência entre os países por trem (de carro ficaria muito caro); como a bagagem era um problema, deixei a lata lá na França e compramos outra, também gigante, na Itália.

 

  • Não achei algo muito parecido com o Mucilon, tinha coisas que pareciam a Farinha Lactea, comprei mas ela não gostou. Já suspeitando que isso podia ocorrer, levei uma farinha de arroz, era bem mais fina que o Mucilon, mas ela gostou.
  • As papinhas da Nestlé são bem diferentes, só tem parecido com as nossas as doces. Tem uma marca famosa, a Gerber, que tinha muita coisa gostosa. Papinhas salgadas orgânicas e purê de frutas. Ela gostou muito.
    Gerber – Papinhas aprovadas!

 

  • Mas o que ela amou mesmo foram umas comidinhas salgadas para bebês maiores, da Nestlé – Naturnes – era aquele tipo de comida molhadinha e com vários pedacinhos, essas da foto debaixo em formato de ursinho. Na Itália não achei dessas (fui a mercados realmente grandes, como o Carrefour, mas não achei).

 

Comidinhas compradas no mercado na França.
  • Outra coisa que conheci lá foi um pote com a cara do nosso Danoninho, mas que não precisava de refrigeração. Não era tão gostoso como o Danoninho, mas ela gostou bastante. Era aquele lanchinho básico enquanto estávamos na rua, só mesmo para emergência.
  • Outro lanchinho que costumo sempre deixar como reserva é levar um potinho com mistura de mucilon+fórmula láctea. Aí, quando bate a fominha,  coloco água mineral e pronto.
lanche para bebê em viagem

Potinho de emergência: fórmula + mucilon – basta colocar água mineral e pronto.

Dica de mãe: lanchinho de emergência – um potinho com mistura de mucilon+leite em pó. Aí, quando preciso coloco água mineral e pronto.

 

Lanchinho rápido em Volterra.
“Danoninho” que não precisa de refrigeração, da Blédilacté.
papinha de bebê
Em nossa passagem pela Alemanha (filhotes com 3 anos e 1 ano) conhecemos esse lanchinho que eles amaram: polpa pura de fruta em forma de purê. Também não precisa de refrigeração. O de banana e maçã foi o preferido. O bom é que era um pote grandinho.

 

  • Compramos água mineral – vários litros –  e conhecemos um adaptador para mini-garrafinhas da Evian, feito para bebês. Ganhamos junto com o pacote de 12 garrafas. Você coloca como se fosse um bico de mamadeira direto na garrafinha. Ela amou.

 

Água Evian para bebês.
Bico de mamadeira que se adapta à garrafinha.
Aprovadíssimo!

 

Provando as delícias dos locais

Não gosto muito de oferecer doce para minha linda, mas os “gelatos” são irresistíveis. Eu tomei muitos e ela também.

Em Nice. O primeiro de muitos gelatos da viagem.
  •  Na Europa os orgânicos são bem mais comuns (e baratos) do que aqui. Então vale a pena ir aos mercados.
  • As feiras são muito comuns e sempre tem comida boa, fresca e com preço legal. É uma experiência e vocês e o bebê vão amar!

Para ficar esperto

  • O que mais sentimos falta, além do arroz com feijão, foi das frutas e sucos. Lá é muito difícil achar frutas boas e suco natural menos ainda. Essa foi mesmo a parte mais complicada.
  • No sul da França e em todos os lugares que fomos na Itália muitos restaurantes fechavam por boa parte do dia. Por várias vezes não era tão fácil encontrar onde comer. Sempre tínhamos uma comidinha dessas salgadas na mochila para essas situações.

 

Nesse período nossa fofinha se adaptou bem. Cresceu e ganhou peso. Foi tudo certo.
Carla Torres

Carla Torres

Médica (Universidade Federal Fluminense – 2004) e mãe. Atua nas duas funções em tempo quase integral e é apaixonada pelo que faz.
Carla Torres

3 respostas para “Alimentação – Viagem para o exterior com bebê”

  1. Livia disse:

    Olá Carla! gostei muito do seu site e principalmente das dicas! viajo daqui 20 dias para a Europa com minha bebe de 1 ano e meio tambem! estou ansiosa e meio preocupada com a alimentação! valeu pelas dicas!
    A minha toma leite Ninho, Você sabe se encontro por lá?
    meu roteiro é Lisboa, Paris e Roma!
    beijos.

    • Carla Torres disse:

      Obrigada, Lívia. Uma ano e meio é uma delícia, eles são bons de boca e testam comidas sem questionar muito (aproveite- rs). Não sei se encontrará exatamente o leite Ninho, mas como ele tem uma formulação bem comum, com certeza encontrará algo muito semelhante.Curtam muito! Abraços.

      • Ashish disse:

        oI Vanessa nossa passo pela mesma coisa que vc..meu filho tem 7 meses fez esses dias comecei a dar piahnpa salgada com 5 meses me deu um pouco de trabalho a enfermeira me falou pra dar os alimentos separados..nao deu certo dai comecei a misturar tudo dai ele comeu melhor hj ele come bem come 1 poti8nho daquele da nestle no almoe7o e outro na janta os legumes que achei que ficaram melhor foram abobora, chuchu,batata ou mandioquinha mas sempre revezo coloquei tomate tambem mas para melhorar o gosto..eu coloco salsinha cebolinha e cebola fica um gosto bom adorei o seu blog beijos ..

Deixe uma resposta