Filhinhos da Mamãe

Guia Sobre Infância
MENU

Holanda – Amsterdam, Maastrich e Keukenhoff Garden. Relato completo de viagem

Tags:, ,

DSCN1302
Essa foi a primeira viagem longa com nossa menininha, na época, às vésperas de completar 6 meses de idade. Ao todo foram 15 dias de viagem – 13 de passeio e 1 para ir e outro para voltar. Organizei tudo com muito cuidado e tudo foi perfeito. Nós 3 curtimos muito. Ela cresceu, ganhou peso, não ficou doentinha… tudo certo. Voltamos ainda mais apaixonados.
23/04/2012 – Vôo RJ – Frankfurt – Amsterdam.
Conseguimos comprar as passagens Rio-frankfurt e Paris-Rio por pontos pela TAM. Só pagamos a passagem Frankfurt-Amsterdam (KLM).
Alugamos um bercinho, que fica preso à barreira logo em frente aos assentos conforto (custa 100 dólares/ trecho. Garante o direito da mãe de seu acompanhante ficarem em assentos conforto – veja o post No vôo com bebê). Para nós foi dinheiro jogado fora, Helena se recusou a ficar lá dentro, se colocássemos, ela acordava na hora. Serve para bebês até 10 kg. Mas na época ela estava com quase 6 meses e 7 kg, e já ficou bem justinho. Nosso voo foi cansativo, mas tranquilo. Ela só dormiu mesmo no colo, mas não chorou, foi muito bem. Tanto que na volta não reservamos o bercinho.
24/04/2012 – D1 – Amsterdam
Chegamos a Amsterdam à noite (5 horas de a mais em relação ao Brasil), pegamos um taxi (45 euros) e chegamos ao nosso hotel   – The Bridge –  muito bom, por sinal: uma vista linda (ficamos no primeiro andar, de frente para o canal), com café da manhã muito bom incluído na tarifa e um staff extremamente competente e solícito.
Descarregamos as coisas e fomos jantar em um restaurante argentino próximo à Rembrandplein. Tomamos um jarro da deliciosa cerveja holandesa (no meu caso, só dei umas bicadas, estava amamentando, mas meu amor se fez) e um imenso bife. Muito bom. Merecíamos depois de tantas horas de viagem e comida de avião.
Vista da janela do quarto do nosso hotel – The Bridge
25/04/2012 – D2 – Amsterdam
Passamos pelo mercado de pulgas de Waterloo. Bem legal. Para quem quer comprar casacos para o clima europeu (de segunda mão, mas muitos em ótimo estado) dá para garimpar coisas muito boas com bons preços. Não era o nosso caso. Só olhamos e compramos umas coisinhas pequenas. Partimos em direção à Dam.
Estava bem animada, admiramos a beleza da arquitetura das construções ao redor e fomos à famosa Bijenkorf, a imensa loja de departamentos de Amsterdam. Compramos umas coisas bem bonitinhas para casa, trocamos o bebê, tem uma lanchonete maravilhosa, compramos várias comidinhas para levar. Dali fomos dar umas voltas e comemos as clássicas batatas fritas. Estávamos um pouco cansados e o tempo meio fechado. Voltamos ao hotel para dar uma relaxada, banho no bebê e coisa e tal. Voltamos para as ruas e pegamos um daqueles barcos todos fechados de vidro e fomos conhecer a cidade pelo ângulo dos canais. É bem legal, ver as fachadas iluminadas valeu a pena.
Amsterdam ao anoitecer
Passeio de barco à noite
Compramos uns lanchinhos e voltamos para o hotel. Helena e eu ficamos lá de bobeira e papai foi dar umas voltas para conhecer alguns coffee-shops.
26/04/2012 – D3 – Amsterdam
Acordamos, tomamos um excelente café (demos maçã raspada pra Helena – era o dia que completava 6 meses! A primeira comidinha da vida) e fomos de tram para a Leidsplein. Dali caminhamos até o Distrito dos Museus.
Tiramos várias fotos no I’amSterdam e caminhamos até a feira de rua Albert Cupmarket. No caminho, um doceria perfeita!!! A feira é muito legal.
Feira de rua Albert Cupmarket – muito legal.
Voltamos andando para o hotel, paramos em um parque no caminho (pit stop para mamadinha e troca de fraldas). Papai ficou com a Helena no hotel e mamãe foi passear.
Fui em direção à Dam, vi vários prédios históricos, admirei a arquitetura, comprei alguns shampoos ótimos em uma farmácia e maquiagem na Ici Paris. Já estava noite quando cheguei ao hotel. Acabamos enrolando um pouco e saímos pra jantar, mas estava tudo fechado, 22h é muito tarde por lá; nosso fuso ainda estava meio doido. Só nos sobrou a alternativa de ir ao Mc Donalds. Escolhi um Mc Kroket para provar. Cruz credo!! ::bruuu:: Horrível! Só uma mordida, o resto foi para o lixo. Tristeza…
Mc Kroket  – cruz credo! Ruim demais.
27/04/2012 – D4 – Keukenhoff Garden – Amsterdam.
Acordamos cedinho, pegamos um tram até a Leidsplein e de lá pegamos um ônibus para o aeroporto.  Lá comprei a passagem para Leiden. O caminho já mostrava algumas plantações lindas.
Da janela do ônibus, a caminho de Leiden.
Pequena amostra do que nos esperava em Kolkenhof.
Finalmente estávamos no maravilhoso  keukenhof Garden .Ficamos metade do dia lá (mas se for ver com calma, um dia é pouco). É impressionante, cada flor mais incrível que a outra. Fomos bem no auge do florescer das tulipas. O dia estava lindo. Tinha ouvido que não era bom ir aos fins de semana por se muito cheio. Fomos na sexta, estava movimentado, mas sem problemas. O local é extremamente bem cuidado. Lindo demais.
keukenhof Garden lindo demais!
keukenhof Garden lindo demais!
Paradinha para mamada
Tulipas que são verdadeiras obras de arte.
Parecem pintadas a mão.
keukenhof Garden lindo demais!
Descemos em Leidsplein e fomos comer em um restaurante que li em um guia, especializado em frutos do mar. The Oesterbar. Simplesmente a pior comida do mundo!!! (fiz questão de deixar meu testemunho – classificação: horrível – no trip advisor🙂 Só de lembrar disso me dá raiva, 70 euros jogados no lixo. Resolvemos que faríamos o mesmo percurso do dia anterior, relaxamos no lindo gramado próximo ao Museu Van Gogh e passamos pela feira Albert Cupmarket, comemos uns rolinhos vietnamitas e deliciosos Stoopwafles, feitos na hora, quentinhos com caramelo derretido…
por 10 euros tivemos uma refeição infinitamente melhor que àquela que tentamos comer no restaurante. Fiquei no hotel com a Helena e o Jr foi dar umas voltinhas, conheceu o Red District – A rua das meninas nas vitrines :shock: .
28/04/2012 – D5 Amsterdam.
Dormimos até um pouco mais tarde, e fomos para o lendário Museu VanGogh. Fila gigantesca!
Nesse dia estava um pouco frio, por volta de 6 graus. Pela primeira vez me senti invejada por estar acompanhada de um bebê de 6 meses em Amsterdam!! Tínhamos comprado os ingressos com antecedência pela internet, mas todos que estavam na fila também tinham feito o mesmo. Não dava pra acreditar. Mas ahan, ahan, nós tínhamos um bebê. Passamos na frente de todos, que nos olhavam com aquele brilho de inveja. Bom, o museu tem obras maravilhosas. Não só do Van Gogh. Amamos. Mas estava meio cheio, não sei se em algum dia da semana ele fica mais vazio. Ficamos um tempo naquele gramado maravilhoso logo atrás do Museu.
O tempo fecho e ia começar a chover logo e fomos comer em um restaurante chamado Bodega Keyser (Van Baerlestraat, 96), que fica bem pertinho do ConcertBow. Aí sim. Um tradicional restaurante holandês com uma comida maravilhosa. Indico fortemente.
Bodega Keyser – restaurante tradicional holandês.
Gostamos muito.

A chuva parou e partimos para o Jordan. Passamos pela Casa de Anne Frank, pela WesterKerk, pelas casas-barcos, andamos tranquilamente pelas ruas do bairro, que é bem lindinho. Fomos parar em uma deliciosa sorveteria chamada Jordino (Haarlemmerdijik 25). Que era aquilo? Sorvete perfeito.

Jordino – sorvete delicioso.
Compramos alguns bibelôs (como um porquinho alado prateado) para casa, compramos umas guloseimas em lojas de chocolate (J.G Beune – Haarlemmerdijik 156). Passamos pelo famoso pub t’Arendsnest (Herengracht 90 ), – Dica do superblog do Ducs . Mas não entrei, fiquei com a Helena em umas mesinhas do lado de fora em um restaurante ao lado, onde tomei um suco – sacrifícios da maternidade. Faz parte… meu amor disse que teve dificuldade de escolher entre tantas cervejas e pediu que o garçom escolhesse uma para ele. Gostou muito.

29/04/2012 – D6– Maastrich e Amsterdam.

Neste dia acordamos bem cedo, nem deu tempo de tomar café, tínhamos que pegar um trem às 7 horas. Fomos de metrô para a Central Station e compramos passagem para Maastrich (22 euros/pessoa – 2ª classe).
Da Central Station para Maastrich – 2 horas de trem.

Temos um tio que mora lá. Após 2 horas (muito confortável!) chegamos e o tio estava nos esperando; sinceramente fui surpreendida. Fiquei apaixonada! Monumentos e locais maravilhosos! Conhecemos a Igreja da Estrela do Mar, que tem mais de 1000 anos. Toda construída com pedras do antigo Império Romano. Simplesmente maravilhosa. O interior também é muito bonito. Com imagens impressionantes.

Igreja da Estrela do Mar, que tem mais de 1000 anos.
Maastrich
É uma cidade universitária linda, cheia de verde e lojas muito legais (ouvi dizer que os europeus ricos fazem compras lá), e restaurante bons (com preço melhor que em Amsterdam). A cidade é demais. Vibrante, antiga, aconchegante, escultural, linda.
Maastrich
Maastrich
Maastrich
Depois de um maravilhoso almoço (aspargos) e uma cerveja perfeita, provamos o melhor sorvete que já comi (e olha que já estive em Roma), na Via Luna. Passeamos longa e demoradamente pelo parque, conhecemos a Porta do Inferno, nos despedimos do tio e pegamos o trem de volta para Amsterdam.
A porta  do Inferno – Maastrich
Descemos na Central Station e passamos pelo famoso bairro da luz vermelha. Preferi passar rapidamente para não me sentir tão culpada de expor meu bebê àquele tipo de ambiente com moças de lingerie nas vitrines, mas em momento nenhum me senti ameaçada ou insegura. Muitas mulheres na rua e pessoas que só estavam ali mesmo por curiosidade. Bom, evento ticado da minha lista. Voltamos andando pela rua das compras (Kalverstraat).
comemos em um restaurante árabe muito bom (com 24 euros nós dois comemos muito bem, com bebidas, sobremesa e café – uma verdadeiro achado!).
Restaurante árabe muito bom
Loading...
Continuamos andando pelas ruas muito movimentadas, afinal era véspera do feriado mais importante de Amsterdam: O Dia da Rainha.
30/04/2012- D7 – Amsterdam e Bruxelas
Acordamos cedo para arrumar as malas; tomamos banho, café e agendamos um taxi. Deixamos as malas em uma salinha do hotel e fomos passear. O sol estava bem forte, estava quente mesmo (até para os padrões cariocas). As ruas e os canais estavam lotados de pessoas vestidas de cor laranja. A cidade estava muito animada, pelo caminho recebemos camisetas e chapéus laranja. Vestimos para entrar no clima. Por uma sorte conseguimos embarcar em um dos barquinhos (tipo bateau) e fomos curtir a festa como fazem os holandeses, de dentro dos canais. A volta de 1 hora foi muito animada. Tinha muita música e agitação.
O Dia da Rainha.
Todos no clima laranja de Amsterdam.
O Dia da Rainha.
Loading...
Loading...
Loading...
Algumas cervejas e rolinhos vietnamitas depois, após andar muito, voltamos para o hotel e fomos para o aeroporto (40 euros). Chegamos lá, com as passagens já compradas (comprei no Raileurope) para Bruxelas , e o trem partiu – pontualíssimo!! Fomos no conforto do trem da Thalys e em pouco mais de 1 hora estávamos em Bruxelas.
Escrito por Carla Torres.

Carla Torres

Médica (Universidade Federal Fluminense – 2004) e mãe. Atua nas duas funções em tempo quase integral e é apaixonada pelo que faz.

4 respostas para “Holanda – Amsterdam, Maastrich e Keukenhoff Garden. Relato completo de viagem”

  1. […] meses, nossa menininha já é uma mochileira veterana. Já passeou muito pelo Rio, Foz de Iguaçu, Amsterdam, Paris, Itália… mas agora temos um calouro no grupo. Pouco antes de completar 2 meses […]

  2. […] para Bruxelas e depois Brugges (na Bélgica) e fechamos com a cidade luz, Paris. Relato de viagem: Amsterdam com bebê. Relato de viagem: Bélgica com bebê. Relato de viagem: Paris com bebê. Deixei o relato completo, […]

  3. […] de passar por Amsterdam, Maastricht e Bélgica, Paris era a parada final de nossa viagem. Estivemos aqui em 2010, quando éramos só […]

  4. […] nossa viagem, partimos de Amsterdam no conforto do trem da Thalys e em pouco mais de 1 hora estávamos em Bruxelas. Tínhamos separado […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *