Filhinhos da Mamãe

Guia Sobre Infância
MENU

No Avião com bebês. Guia de sobrevivência – Vou para Europa com bebê

Tags:, , , ,

no aeroporto - filhinhos da mamãe

Quem nunca teve o desprazer de ouvir o choro estridente de um bebê no avião? Faz parte. Algumas pessoas vão olhar com cara feia, com ar de reprovação ao comportamento da criança e dos pais e outras vão tentar ser solidárias, ajudar, ou pelo menos suportar a choradeira sem muito drama.

Por mais que os pais tenham intenção em controlar, é algo que muitas vezes não é possível.
A criança se estressa por estar em um ambiente estranho e é compreensível que manifeste sua irritação e insegurança com choro.
Tente levar a situação da melhor forma possível, ninguém gosta de saber que seu bebê está incomodando os outros, faça seu melhor, mas não se importe demais com alguns olhares e comentários rabugentos.
Os pais devem buscar acalmar a criança e manter a mesma firmeza que devem ter em outras situações cotidianas para tentar não deixar o controle nas mãos dos pequenos. Mas lembrem-se: o que é lógico para nós não é para os bebês; coerência e compreensão são capacidades que o cérebro em formação da criança ainda está aprendendo. Não ouse exigi-las ainda. Não tem fórmula mágica. Cada criança é de um jeito e se comportará de forma diferente, variando de vôo para vôo. O importante é estar preparado para a situação: estejam munidos de um arsenal de coisinhas para acalmar a ferinha e muita paciência. Vou passar as dicas que que procuro seguir com nossos filhos.
O que é lógico para nós não é para os bebês; coerência e compreensão são capacidades que o cérebro em formação da criança ainda está aprendendo.

A escolha do vôo

  • Escolha o vôo com o mínimo de escalas possível. Um vôo longo já é cansativo por si só. Se for parando em vários locais, aí é sofrimento puro. Outra coisa, que pra mim funciona bem,  é tentar escolher um vôo noturno, um horário onde geralmente o bebê está mais calmo. Em minhas andanças por aí (fizemos 3 vôos para Europa com minha filha aos 6 meses, depois com 1,5 ano e  agora com 3,5 anos e seu irmão de 1 ano e dois meses), percebi que o que mais funcionou para dormirem no avião era deixar eles correrem muito e brincar até ficarem bem cansados.

Para dormirem bem no vôo a melhor dica ainda é: canse bastante os pequenos. Deixe correr e brincar muito antes de entrar no avião.

Ocupando os pequenos

  • Uma dica que li no blog Viajar é tudo de bom é de comprar brinquedos pequenos e baratinhos (desses de R$ 1,99) e entregar só dentro do avião; só o fato de ser um brinquedo novo, tem maior chance de prender a atenção da criança por mais tempo. Procure coisas que sejam desafiadores, como brinquedos de encaixar. E tudo pequeno, que não ocupe muito espaço na bagagem de mão.
  • Livrinhos de história ou revistinhas para pintar também podem ocupá-los por um valioso tempo de vôo.
frozen-para-imprimir - filhinhos da mamãe

no site pintarecolorir.com você encontra várias imagens. Se seus filhos são grandinhos, vão gastar um bom tempo de voo nisso.

  • A tecnologia é mesmo uma maravilha para acalmar os pequenos. Nosso ipad é um ítem de primeira necessidade. Não imagino paz sem ele. Carregado dos 3 volumes de vídeos da Galinha Pintadinha e clips musicais dos Backyardigans, é paz garantida por muito tempo. Há vários joguinhos para bebês que ajudam muito. Tente deixar o tablete para os momentos que o pequeno estiver mesmo mais zangado. Se oferecer o tempo todo, não hora do  vamos ver não tem o mesmo efeito.

Assistindo Galinha Pintadinha no iPad enquanto o embarque não acontece

Alimentado o bebê

  • Alguns vôos tem opção de comida para bebês, mesmo que estejam viajando no colo. Geralmente a comida é servida antes da refeição dos adultos. Certifique-se se haverá refeição para ele antes do check in. Pode ser que seu bebê não goste da comida oferecida, tenha por perto algo que ele esteja acostumado a comer e que goste. Todo avião tem condições de fornecer água mineral para o preparo da mamadeira e aquecer uma comidinha, se necessário. Atualização: Fomos de Air France. Assim que nos acomodamos, perguntei ao comissário se teria refeição para ela. Ele disse que bastava que eu pedisse com 15 minutos de antecedência. Teve jantar e café da manhã. Apesar dela ir de colo, não tivemos que pagar nada por isso.

Não esqueça de oferecer bastante líquido ao bebê. A avião tem um ar mais seco e frio que o que estamos acostumados, isso favorece à desidratação.

  • Leve um babador daqueles de plástico para poupar a roupinha e lencinhos para limpar a boca (gosto de uns que são umedecidos só com água).

Trocando fraldas

  •  Isso não é uma coisa legal… os espaços dos banheiros de avião são minúsculos. Requer destreza para conseguir desempenhar a tarefa. Ainda mais se o bebê estiver naquela idade que ainda não entende que deve ficar quieto e que já se mexe muito (a partir dos 8 – 9 meses). Pouco depois de 1 ano eles já entendem melhor as ordens e até ajudam (dependendo da boa vontade no momento – rs). Toda mãe sabe, que lenços umedecidos são essenciais, não os esqueça.
  • Outra dica: para o avião certifique-se de ter colocado na bolsa as fraldas mais potentes, aquelas que duram uma noite toda sem vazar. Para minimizar a necessidade de trocas durante o vôo.
  • Use uma boa quantidade do seu melhor creme contra assaduras, gosto de passar uma camada daqueles óleos específicos para bebê (tipo o Dersany baby) antes da pomada contra assaduras nessa situação.

Dor de ouvido

  • Sou otorrinolaringologista, recentemente criei um post específico sobre esse assunto, não deixe de ler o parágrafo sobre como evitá-la:   Por que os bebês choram no avião?

Dormindo no vôo

  • Quando viajamos pela primeira vez, alugamos um bercinho (Bassinet), que fica preso à barreira logo em frente aos assentos conforto (custou 100 dólares/ trecho – a reserva é feita no balcão da companhia – fomos pela TAM – antes do check in. Pela Air France é de graça). Garante o direito da mãe de seu acompanhante ficarem em assentos conforto). Para nós foi dinheiro jogado fora, minha filha se recusou a ficar lá dentro, se colocássemos, ela acordava na hora. Serve para bebês até 10 kg e, se não me engano, até 70 cm de comprimento. Mas na época ela estava com quase 6 meses e 7 kg, e já ficou bem justinho. Na volta não reservamos o bercinho. Minha experiência não foi boa, mas ela tem essa característica de nunca aceitar dormir em um berço que não seja o dela. Se for um local diferente, desconfiadíssima, ela só dorme se for colada comigo ou com o pai. Se seu bebê não costuma fazer essa exigência, imagino que o bercinho seja ótimo.
  • Leve meias e um cobertor quentinho para seu bebê e se ele estiver acostumado a dormir com algum bonequinho, não deixe de levar. Aqueles apoios de pescoço fofinhos (com aquelas bolinhas minúsculas tipo isopor) são ótimos para dar apoio e conforto ao bebê, mesmo no colo (aqui no centro do RJ, no Saara, tem uma loja chamada Linda Presentes – Rua da Alfândega, 297 – é tipo uma importadora e no andar superior tem muitos apoios de cabeça e bichinhos de pelúcia ótimos, vendidos por um terço do valor normal dos shoppings. Um achado!)

Apoio de pescoço. Conforto para o bebê no vôo.
    • Assunto controverso: já vi alguns relatos de pessoas que dão remédios para o bebê dormir durante o vôo (geralmente são remédios que tem sonolência como efeito colateral, não são indutores de sono específicos). Se você pretende seguir essa dica, não deixe de abrir o jogo com seu pediatra. Avalie com ele qual a segurança dessa conduta. Importante saber: muitos medicamentos tem efeitos colaterais que, embora incomuns, podem ser assustadores, como a crise oculogírica – onde há uma alteração muscular intensa com movimentos oculares irregulares e contratura muscular de membros – que pode ser causada por medicamentos comuns (entre eles a metoclopramida – o famoso Plasil) . Outra possibilidade é a reação paradoxal, quando o medicamento apresenta o efeito oposto ao esperado (acontece com alguns ansiolíticos, que acabam causando uma irritação incontrolável). A chance de reações adversas (não a chance de alergias) diminui muito se você fizer uso de medicamentos que já foram usados previamente sem problemas. Por isso, repito, o pediatra é quem vai te ajudar a decidir. A famosa frase se enquadra perfeitamente: cada um é cada um. A experiência pode ser muito diferente de bebê para bebê (digo, de indivíduo para indivíduo).

Dica da mamãe

Seja simpático com os comissários de bordo. Ensine seu bebê a dizer bom dia, boa noite, oi… mesmo quem não é apaixonado por criança gosta de pessoas e crianças bem educadas.
Se seu filhote é maiorzinho, ensine etiqueta básica de vôo: nunca, jamais é permitido chutar a poltrona da frente.
Regras gerais das companhias para voar com bebês
Bebês (até 2 anos) pagam apenas 10% da tx de embarque e às vezes da passagem (na Air France não precisei pagar nada) – um excelente motivo para viajar com seu filhinho antes dos 2 anos. Para tal, precisam viajar no colo ou no basinet (bercinho, veja abaixo) e  não tem direito a bagagem – algumas companhias liberam uma certa quota (na Air France tem. Se me lembro bem, 10kg) – mas vc pode despachar o carrinho diretamente na entrada do avião, para estar disponível logo que você sair. Isso não conta como bagagem. Vc também tem direito a mais uma bagagem de mão. Não deixe de ler a parte de dicas práticas do post decidindo o itinerário e escolhendo o vôo.
 

Carla Torres

Médica (Universidade Federal Fluminense – 2004) e mãe. Atua nas duas funções em tempo quase integral e é apaixonada pelo que faz.

Uma resposta para “No Avião com bebês. Guia de sobrevivência – Vou para Europa com bebê”

  1. […] DE CABELO) · TROCADOR DE FRALDAS · FRALDAS (NÃO DEIXE DE LER A DICA DE FRALDAS NO POST NO AVIÃO COM BEBÊ · FRALDINHA DE BOCA · MINI GUARDA CHUVA · MEDICAMENTOS BÁSICOS – SPRAY SORO NASAL , […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *